quarta-feira, 1 de junho de 2016

"O CANDELABRO" BOTA O DEDO NA FERIDA E VENCE FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO


A Cia Távola de Teatro | Bahia, novamente leva o nome de Lauro de Freitas para o topo das artes cênicas nacional, com o espetáculo solo "O Candelabro", atuado pela atriz Ruth Marinho e que tem a direção e a dramaturgia assinados por Duzinho Nery.

O espetáculo que está rodando o país, coloca literalmente em xeque este tema, onde sua dramaturgia bota o "dedo na ferida",  demonstrando que mesmo com todas as campanhas existentes,  a violência contra a mulher consegue estar vergonhosamente em progressão. Mas de forma incisiva e determinante, o drama de Duzinho Nery vem chamando atenção da sociedade sobre importância de se combater todas as formas de violência e opressão que as mulheres vivem.

O Candelabro emociona o público, contando a história da personagem Maria Aurora, uma mulher que viveu por toda a sua vida todos os tipos de violência, porém de forma triunfal ela consegue transformar a sua história externando as suas dores e convencendo a sociedade a se rebelar contra a cultura de violência feminina.

Depois de circular por vários estados e ganhar prêmios, o espetáculo "O Candelabro", participou do FESTTO 2016 - Festival Nacional de Teatro se apresentando no dia 28 de maio, na Casa da Cultura de Teófilo Otoni, lotando o espaço e emocionando a plateia. 


No dia seguinte (29/5), na Cerimônia de Premiação, a peça baiana ganhou o prêmios de Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Texto e Melhor Cenário, sendo ainda indicado nas categorias de Atriz, Trilha Sonora e Figurino, onde concorreu com espetáculos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. O FESTTO foi produzido pelo Grupo In-Cena, de Teófilo Otoni, sob a coordenação de André Luiz Dias.

A Cia Távola de Teatro no mês de junho|2016 segue para apresentar no dia 18 no FESCETE em Santos-SP com o espetáculo "Gaiola, O Caçador de Solidão" e no dia 26, no FESTTAQ com "O Candelabro" em Taquaritinga-SP.

Parabéns a trupe que está levando para o Brasil o nome do teatro de Lauro de Freitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Catiripapu agradece a sua participação.