domingo, 3 de setembro de 2017

A Violência Contra a Mulher é tema de espetáculo que se apresenta no FILTE 2017- Festival Latino Americano de Teatro da Bahia



A Violência Contra a Mulher é tema de espetáculo que se apresenta no FILTE Bahia 2017- Festival Latino Americano de Teatro da Bahia. Uma montagem da Cia Távola de Teatro, do município de Lauro de Freitas. “O Candelabro” é um solo teatral, escrito por Duzinho Nery, com atuação de Ruth Marinho. A peça provoca o público a refletir sobre a crueldade dos atos de violência que vitimam milhares de mulheres e revela a dimensão de aspectos que circundam as vidas de quem está diante desta situação. A peça se divide em lapsos de memória que marcam a vida de Maria Aurora, abordando os seus conflitos e o seu sofrimento, mostrando como em uma atitude transgressora ela consegue ser a sua própria luz, isso de maneira, forte, tocante, poética e sublime.
 
O Candelabro foi indicado como Melhor Espetáculo do Interior da Bahia, no Prêmio Braskem de Teatro 2017 e participou de mais de 15 festivais de teatro nos estados da Bahia, Ceará, Piauí, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, ganhando vários prêmios. No dia 1º de outubro de 2017, o espetáculo se apresenta no 12º Festival de Teatro de Pinhais, no Paraná.



SERVIÇO:



FILTE Bahia 2017 – Festival Latino Americano de Teatro da Bahia

Espetáculo: O CANDELABRO

Domingo (03/09) | 20:00 | Espaço Cultural Plataforma

Quarta-feira (06/09) | 19:00 | Espaço Cultural Barroquinha



Programação completa:



WWW.FILTE.COM.BR

Coreia do Norte anuncia teste nuclear 'bem-sucedido' com bomba de hidrogênio




O governo da Coreia do Norte anunciou na madrugada deste domingo (3) que realizou um teste 'bem-sucedido' com uma bomba de hidrogênio que pode ser carregada no novo míssil balístico intercontinental do país. O teste nuclear provocou um tremor de magnitude 6,3 no território norte-coreano.

Segundo a agência Reuters, este é o sexto teste atômico feito por Pyongyang nos últimos 11 anos.

O mundo pode conviver com uma Coreia do Norte nuclear?
No anúncio feito pela TV estatal, o governo de Kim Jong-un disse que o teste foi um 'sucesso perfeito' e representa um passo 'significativo' para completar o programa de armas nucleares do país.
A confirmação do teste aconteceu horas depois de um tremor de magnitude 6,3 ser detectado pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) no noroeste da Coreia do Norte, em uma região usada para testes militares.

Governo japonês
Antes do anúncio oficial do governo de Pyongyang, o Japão havia confirmado o teste nuclear do país vizinho. "Depois de examinar os dados, concluímos que era um teste nuclear", disse o ministro das Relações Exteriores japonês, Taro Kono, em uma entrevista divulgada pela emissora pública NHK após uma reunião do Conselho Nacional de Segurança do Japão. 

O teste ocorreu poucas horas após o governo de Kim Jong-un anunciar a inspeção da bomba de hidrogênio para míssil. O governo da Coreia do Norte disse que todos os componentes da bomba foram fabricados no país permitindo construir quantas bombas nucleares quiser. Segundo o líder Kim Jong-un, a bomba de hidrogênio que será carregada em um novo míssil capaz de alcançar altitudes elevadas.

Reações


A China condenou 'energicamente' o novo teste nuclear realizado neste domingo pela Coreia do Norte, segundo um comunicado do Ministério de Assuntos Exteriores do país. De acordo com a agência Reuters, o país também iniciou um monitoramento das condições radioativas na região.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse que Seul "nunca permitirá que a Coreia do Norte continue avançando com suas tecnologias nucleares e de mísseis" em uma reunião urgente do Conselho Nacional de Segurança realizada após o novo teste de armamento realizado com uma bomba H, segundo a agência local Yonhap.

Moon também pediu que sejam impostas sanções "mais graves possíveis" por parte do Conselho de Segurança Organização das Nações Unidas (ONU) para aumentar o isolamento do regime liderado por Kim Jong-un.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que o novo teste nuclear foi "uma ameaça de segurança séria e imediata" que "aumenta ainda mais o perigo do regime" e "compromete seriamente a paz e a segurança no país".